22 de ago de 2007

MAURÍCIO PINTO (1884-1958)



Maurício Pinto fez o curso comercial na Figueira da Foz e tornou-se empresário. Investigador, historiador, escritor, actor dramático, apaixonado do saber e das coisas da Figueira da Foz, Maurício Pinto foi uma figura marcante do seu tempo. “Pessoa de tendências marcadamente liberais e que mantém pelos seus patrícios mais ilustres um verdadeiro culto”, assim o definiu Salinas Calado.

Republicano convicto, foi vereador da Câmara Municipal logo após a instauração da República, funções que viria a repetir mais tarde. Maçon, da Loja Fernandes Tomás, foi também fundador do movimento Rotário na Figueira da Foz.

Apaixonado da Arte de Talma criou o Grupo Dramático Figueirense e o Grupo dos Simples tendo integrado o grupo cénico do Ginásio Figueirense. Experimentou, como actor, as tábuas do desaparecido Teatro Príncipe.

Foi Provedor da Misericórdia da Figueira e teve responsabilidades directivas na associação Comercial.

Colaborou muito com a imprensa e era amiúde convidado para ser palestrante sobre os mais diversos temas. Camiliano, coleccionava materiais respeitantes ao escritor romântico, tendo cedido o seu espólio para exposição nas comemorações do centenário de Camilo. Deixou várias obras, entre elas, talvez a mais conhecida, escrita em colaboração com Raimundo Esteves, “Aspectos da Figueira da Foz”. Homem de livros, doou à biblioteca Pedro Fernandes Tomás os seus papéis.