9 de jul de 2004

O ILUSTRE MAESTRO PAULA SANTOS



O maestro Paula Santos nasceu em Torres Vedras em 22 de Julho de 1854 e faleceu na Figueira a 9 de Janeiro de 1919. Cursou o Real Conservatório de Música de Lisboa onde concluiu o seu curso. Leccionou como professor particular e dirigiu agrupamentos musicais, como tunas e filarmónicas.

Em Setembro de 1891 Paula Santos veio reger a Filarmónica Figueirense, cargo que ocupou até 1899. Dirigiu o grupo musical da Troupe Recreativa Brenhense. Foi director e professor do Colégio Liceu Figueirense. Em 1911 organizou a Orquestra Filarmónica da Figueira que integrava elementos de duas bandas locais e outros amadores musicais.

Paula Santos era um exímio instrumentista, sobretudo de instrumentos de sopro. Fundou e dirigiu o "Quinteto Paula Santos" no qual tocava como pianista uma filha sua, Albertina Paula Santos. Dirigiu ainda a Filarmónica de Verride e a orquestra do Teatro Circo Saraiva de Carvalho assim como, ocasionalmente, orquestras do Teatro Príncipe D. Carlos. Na noite em que o teatro Príncipe ardeu estava a regência da orquestra confiada a Paula Santos.

O maestro faleceu em plena actividade; dirigia o seu grupo no Casino Peninsular quando foi fulminantemente atacado por uma síncope cardíaca.

Deixou uma obra vastíssima na área da composição, quase toda trechos poulares.

Será possível reviver esta obra? Será possível não deixar cair no esquecimento a figura do Maestro Paula Santos? Aqui fica a lembrança a quem de direito.