13 de ago de 2004

A FORMAÇÃO DA PRAÇA VELHA ou PRAÇA da RIBEIRA



"O sítio da Praça do Comércio era já no século XVII um largo público denominado a Ribeira. Mas por este nome foram também designadas as praias do rio até às Lamas, onde hoje são as ruas do Príncipe Real e de M. Fernandes Tomás e a Avenida".

Assim se refere Santos Rocha àquela que é hoje a Praça Velha. O autor refere também que a esta se terá chamado Ribeira das Naus. O sítio das Lamas, que ali se menciona, era um dos subúrbios da Figueira que Santos Rocha presume ter ficado entre as Ruas Dez de Agosto e do Mato. Vale das Lamas era o baixo onde hoje se encontra a rua Dez de Agosto e que tinha ligação a Tavarede por um caminho que passava pela Lapa e seguia pela Várzea.

A Praça do Comércio, que foi aterrada em 1777, "foi a primeira praça que teve a povoação" O pelourinho data de 1782 e custou à Câmara 231$085 reis. No local onde é hoje o largo Luís de Camões (ao lado da Praça velha) existia uma praia do rio "banhada pelas marés regulares e chamava-se Praia da Ribeira". No dizer de Santos Rocha, que vimos seguindo, a Praça era invadida pelo rio, pelo que se construiu "um muro na boca desta".

Nesta altura a Rua da Oliveira, (que se chamava Rua que vai dar à Ribeira) já existia e as ruas que desaguavam na Praça designavam-se Ruas da Ribeira e Couraça da Ribeira

"No século XVIII a Praça da Ribeira estava já toda povoada. Diversos documentos referem-se claramente às casas do lado ocidental: algumas eram de sobrado e uma única de dois sobrados. Outros referem-se às casas do lado oriental onde todas eram de sobrado. A cadeia púbica, em 1749, estava situada por detrás de uma das casas deste lado, e tinha provavelmente a frontaria para a Rua do Forno".

Do norte da Praça subia o "velho caminho do meio que se dirigia para o adro de Stº António e caminho de Tavarede".