22 de jul de 2004

SOMBRIO E A SOMBRA


 
Passam, no próximo dia 29 de Julho, 110 anos do nascimento de António Esteves, prolífico criador literário que utilizava o nome de Carlos Sombrio.
 
Carlos Sombrio colaborou na imprensa local e regional, quer figueirense, quer de outras paragens, como "A Voz da Justiça", o "Álbum Figueirense", o "Notícias de Gouveia", a "Voz da Serra" de Ceia e na imprensa nacional, entre eles no "DN", n`"O Século", e no "Primeiro de Janeiro", entre outros.
 
Dedicou-se à crítica literária e à escrita tendo publicado "Sombras", "A Celebração do Centenário de Camilo na Figueira", "Instituto de Sangue" (Teatro) "Segredos", "Aguarelas da Beira", "Resignada", "Cartas Perdidas" e "Diálogos".
 
Um dos seus ex-libris, que aqui reproduzimos, representava o nobre pelourinho da Praça Velha e ostentava a divisa "Por minha terra", pois Sombrio era um indefectível bairrista.
 
A Figueira, como é óbvio, tem deixado Carlos Sombrio na sombra.